Filho de Madge Metcalfe e de Arthur Jefferson, um empresário teatral,[1] Stan estreou no palco após completar seus estudos na King James Gramar School, em Bishop Auckland,[2] na The King’s School, em Tynemouth, e por um tempo na Rutherglen Academy.[3] Sua primeira performance foi no Britannia Panopticon, em Glasgow, Escócia, aos 16 anos de idade.[4]

Viajou com várias companhias de teatro pelo país, até entrar na “trupe” de Fred Karno, em 1910, da qual fazia parte Charles Chaplin. Chegou a ser “substituto” de Chaplin numa pantomima, “Mumming Bird“, a qual foi levada por Karno para os Estados Unidos, sob o título “A Night at an English Music Hall”.

Stan conheceu então Mae Dahlberg, que exerceria grande influência em sua vida. Stan, que até então era creditado como Stan Jefferson, adotou o nome Laurel, por sugestão de Mae, que trabalhou com ele em seu primeiro filme, “Nuts in May”, em 1917, uma produção independente de Adolph Ramish, assinando contrato com a Universal. Ele e Mae jamais casaram, mas chegaram a viver um tempo maritalmente, e em muitos filmes foi creditada como “Mae Laurel”.

A partir dessa época, Stan trabalhou como “free lance” para vários estúdios, e entre seus trabalhos estava “Lucky Dog”, na qual Oliver Hardy participava num pequeno papel. Essa foi a primeira vez que trabalharam juntos. Seu nome passou a ser conhecido com as paródias de filmes populares feitas na época, entre elas “The Soilers” e “Under Two Jags”, em 1920, “Mud and Sand” em 1922, e “Dr. Prycle and Mr. Pryde”, em 1925.

Em 1924, Stan assinou um contrato com Joe Rock, para doze comédias, mas uma das cláusulas estipulava que Dahlberg não poderia aparecer em nenhum de seus filmes. Em 1925, julgando que Dahlberg estava interferindo na carreira de Stan, Rock ofereceu a ela uma passagem só de ida para a Austrália, e aceitou, separando-se definitivamente de Laurel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *